Publicações da nstech sobre tecnologia, logística e mobilidade para um futuro melhor

CATEGORIAS

VER TODOS OS POSTS

Cases de Sucesso

VER TODOS

Negócios e Cultura

VER TODOS

Segurança

VER TODOS

Sustentabilidade

VER TODOS

Tecnologia e Inovação

VER TODOS

Todos

VER TODOS

Transporte e Logística

VER TODOS

Quais os tipos de fretes e como escolher?

TodosTransporte e Logística

Escrito por nstech

Navio com vários conteires empilhados para vários tipos de frete

Os clientes têm pressa e para atender a demanda por agilidade e eficiência nas entregas é necessário conhecer os tipos de fretes e fazer escolhas adequadas para o envio das cargas.

Saber qual modalidade usar é estratégico, afinal, as principais metas no transporte de cargas envolvem otimização dos processos de entrega, redução de custos e aumento da qualidade do serviço.

As características da carga, necessidades do cliente e perfil da operação logística são pontos a serem considerados antes de tomar qualquer decisão. Neste artigo, aprenda tudo o que é necessário para escolher sem erro!

Quais são os tipos de frete?

Os dois tipos de fretes principais são o CIF e o FOB. As siglas se referem a diferentes modalidades de pagamento e responsabilidade no transporte de cargas.

CIF (Custo, Seguro e Frete)

O CIF é uma modalidade de frete para entregas internacionais em que o vendedor se encarrega do pagamento pelo transporte até o porto de destino do comprador e assume a maioria dos riscos da operação.

O vendedor é responsável pela embalagem, manuseio, documentos e se encarrega do pagamento pelo frete por via marítima e pela contratação do seguro. Somam-se às responsabilidades as despesas de desembaraço aduaneiro, taxas portuárias, içamento da carga e transporte terrestre para levar a carga do porto até o destino. 

A vantagem é o maior controle sobre o processo, principalmente em cargas de alto valor ou quando a negociação envolve compradores inexperientes. Como o valor do frete CIF inclui todos os custos, o comprador não precisa se preocupar com contratação de transporte, seguro e desembaraço aduaneiro.

FOB (Free on Board)

O frete FOB, em português “Livre a Bordo”, é a modalidade na qual o comprador assume grande parte dos custos e dos riscos da operação assim que a carga é colocada a bordo do navio. 

Entre os tipos de fretes, o FOB é o que melhor divide as responsabilidades. Ao comprador cabem os custos do frete e do seguro marítimos, despesas de desembaraço aduaneiro, taxas portuárias e contratação do transporte terrestre entre o porto e o destino final.

Neste caso, o vendedor se isenta das responsabilidades após o embarque no navio. O frete FOB é mais barato e mais rápido para o vendedor, que não precisa se preocupar com todos os trâmites.

Já o comprador tem mais controle sobre o processo de transporte e sobre a negociação do frete marítimo, contratando um seguro de acordo com suas necessidades e orçamento. 

Esse tipo de frete é usado geralmente para grandes volumes de carga e quando o comprador é experiente para lidar com importações.

Principais formas de contratação dos tipos de frete

Dois trabalhadores no porto falando sobre tipos de frete

Os tipos de fretes variam conforme as características da operação e das necessidades logísticas. Cada modalidade tem vantagens distintas.

Subcontratação

É quando a transportadora contratada repassa parte do serviço para outra empresa de transporte. O objetivo é ampliar a capilaridade e o alcance das entregas ou atender a uma demanda específica do cliente.

Na subcontratação, a vantagem está na parceria com transportadoras especializadas em rotas e tipos de carga específicos e na redução de custos. 

A desvantagem é que a transportadora principal perde parte do controle e aumenta o risco de problemas com a carga.

Contratação normal

É o transporte de carga sem intermediários. O cliente contrata uma transportadora que se encarrega da entrega no destino final. 

A vantagem é o maior controle sobre o serviço, comunicação direta e resolução mais ágil de eventuais problemas. No entanto, dependendo do porte e da capilaridade da transportadora, pode haver limitação de alcance e menos flexibilidade. 

Neste caso, os custos podem ser mais altos, já que a transportadora contratada precisa desenvolver a estrutura para atender a demanda total do cliente.

Redespacho

Ocorre quando a carga é redirecionada, intencionalmente, para outro destino, sem necessidade de novo embarque. O objetivo é adaptar a rota em caso de imprevistos sem a obrigação de fazer um novo processo de transporte. 

Pode ser mais econômico porque utiliza parte da infraestrutura e dos serviços contratados. Serve para otimizar rotas e facilitar a consolidação ou divisão das cargas em remessas para diferentes destinos.

O ponto de atenção está no prazo de entrega. A chance de atraso é maior e em negociações internacionais pode haver exigência burocrática adicional quando a carga não vai direto ao destino.

Redespacho intermediário

Semelhante ao redespacho, essa modalidade envolve a passagem da carga por um depósito antes de ser enviada ao destino. Permite o agrupamento de cargas de diferentes origens com destino similar, otimizando o transporte e reduzindo custos. 

Entre os tipos de fretes, este oferece a possibilidade de dupla checagem, pois a carga pode ser inspecionada e conferida antes do novo envio. O armazenamento temporário está entre as possibilidades, considerando que a mercadoria fique à espera de melhores condições para a entrega.

O problema é que, no geral, o redespacho intermediário tem taxas adicionais de armazenagem, movimentação e manuseio. A dica é avaliar se esse tipo de frete, com prazos de entrega e custos mais elevados, se justifica. 

Tipos de fretes em relação às características das cargas

As características da carga influenciam na escolha do frete. As opções mais comuns são a carga fracionada e a carga lotação, cada uma com suas particularidades, desafios e vantagens.

Carga fracionada

Nesta modalidade, o mesmo veículo transporta diversas cargas, de diferentes remetentes, para vários destinatários. Otimiza espaço, custos e é indicada para volumes menores, que não completam a capacidade de carga do caminhão.

Em geral, o custo por tonelada é menor do que na carga lotação, já que os gastos com transporte são divididos. A flexibilidade na escolha de datas e horários de embarque é maior. 

Já o prazo de entrega tende a ser um pouco maior porque é necessário agrupar as cargas para otimizar o roteiro. O manuseio é outro desafio, pois a carga pode ser carregada e descarregada diversas vezes, o que aumenta o risco de avarias, danos ou entregas erradas.

Carga lotação

Essa é a escolha quando a carga completa o caminhão. É um tipo de frete considerado exclusivo, já que o veículo é dedicado ao transporte de uma única carga, de um único remetente para um único destinatário.

Costuma ser a escolha para volumes que ocupam toda a capacidade do caminhão ou que exigem cuidados especiais. Como o veículo segue direto para o destino, as entregas são mais rápidas.

A segurança é outra vantagem (a viagem não é compartilhada e a carga não precisa ser manuseada, o que reduz o risco de avarias). O custo, no entanto, é maior. O remetente se responsabiliza pelo custo total da viagem, mesmo que não preencha o caminhão completamente. 

Não é utilizada por empresas com menor volume de produção, já que exige um volume mínimo de carga e tem menor flexibilidade na escolha de datas e horários para embarque. 

Outros tipos de frete

  • Expressa: prioriza a agilidade na entrega, com prazos reduzidos e custos mais altos.
  • Econômica: focada no menor custo possível, com prazos mais dilatados.
  • Terrestre: utiliza veículos rodoviários para o transporte (incluindo bagageiros de ônibus intermunicipais e interestaduais). É ideal para curtas distâncias.
  • Marítimo: utiliza navios para o transporte, sendo adequado para grandes volumes e longas distâncias.
  • Aéreo: modal ideal para cargas urgentes ou perecíveis, com alto custo.

Como escolher o melhor tipo de frete?

Trabalhadores discutindo sobre quais tipos de frete escolher

Depois de conhecer todos os tipos de fretes, é importante considerar qual a modalidade mais apropriada para cada operação. 

O primeiro ponto a se considerar é a característica da carga: tamanho e volume, tipo de produto, valor agregado e necessidade de maior segurança. Outro aspecto é prazo combinado para a entrega.

Carga lotação, em geral, chega mais rápido. Já a carga fracionada tem flexibilidade na escolha de datas e horários. Pode ser vantajosa para pequenos volumes e curtas distâncias. 

É essencial ainda avaliar o orçamento disponível e os custos adicionais que incidem sobre os diferentes tipos de fretes. Por fim, utilize sistemas modernos para a gestão do frete.

A nstech tem as melhores soluções para isso. Confira as tecnologias disponíveis para embarcadores e fale com quem é especialista no assunto

Conclusão

A escolha do frete é uma decisão estratégica que impacta diretamente na agilidade das entregas, na satisfação do cliente, na otimização do processo logístico, na vantagem competitiva e na reputação da empresa. 

Neste artigo conhecemos todos os tipos de fretes e a importância de investir tempo e atenção na escolha da modalidade ideal. Ao tomar a decisão correta e contar com a ajuda da nstech, você desfruta de uma série de benefícios.

A eficiência que sua operação precisa

Conheça centenas de soluções que garantem eficiência, rentabilidade, segurança e sustentabilidade.