Publicações da nstech sobre tecnologia, logística e mobilidade para um futuro melhor

CATEGORIAS

VER TODOS OS POSTS

Cases de Sucesso

VER TODOS

Negócios e Cultura

VER TODOS

Segurança

VER TODOS

Sustentabilidade

VER TODOS

Tecnologia e Inovação

VER TODOS

Todos

VER TODOS

Transporte e Logística

VER TODOS

Como emitir CTe de maneira fácil e otimizada? Passo a passo

Negócios e Cultura

Escrito por nstech

O transporte de cargas tem normas específicas e emitir CTe é uma delas. O Conhecimento de Transporte Eletrônico é um documento obrigatório criado em 2007 para substituir o Conhecimento de Transporte Rodoviário (CTRC).

Assim como em outros setores, a digitalização, a integração de processos e a emissão automatizada de documentos facilita os trâmites administrativos.

Emitir CTe online melhora a confiabilidade das operações, aumenta a eficiência logística e oferece mais transparência, legalidade e segurança jurídica. 

O transporte de carga própria precisa emitir CTe e quem ignorar isso está sujeito a multa, apreensão da carga ou suspensão das atividades.

Se você não quer correr o risco, este artigo explica como atender à exigência da Sefaz. Confira.

O que é o CTe?

CTe é a sigla de Conhecimento de Transporte Eletrônico, um documento digital obrigatório para todas as operações de transporte de cargas no Brasil. Funciona como um registro eletrônico com os detalhes da operação.

Qual a importância do CTe?

Mais do que uma obrigação no transporte de cargas, o CTe é importante para a segurança e a confiabilidade das operações.

Assinado eletronicamente, o documento garante a integridade das informações, facilita a rastreabilidade da carga e ajuda dificultar falsificação ou adulteração de dados.

O CTe agiliza a emissão, autorização e consulta online, simplifica e padroniza procedimentos, contribui com a fiscalização e o combate à sonegação, além de dar mais segurança jurídica às empresas.

Quem deve emitir o CTe?

Emitir CTe é obrigatório no transporte de cargas rodoviário, aéreo, aquaviário, ferroviário e dutoviário, sejam empresas com regime de apuração normal (lucro real ou presumido), optantes pelo Simples Nacional ou registradas como operador no sistema multimodal de cargas.

Todas as cargas em circulação no país devem ter um CTe. No caso do transporte intermunicipal, a emissão pode ser facultativa, dependendo da legislação de cada estado. 

No caso de dúvidas, a orientação é consultar a Secretaria Estadual da Fazenda.

Quem pode emitir CTe

A responsabilidade pela emissão do CTe depende do tipo de operação de transporte e da legislação estadual, mas qualquer envolvido pode emitir o documento, desde que tenha todos os dados para o procedimento.

Em geral, a emissão é feita por empresas transportadoras de carga, cooperativas de transporte de carga, transportadores autônomos, embarcadores (contratantes do serviço de transporte), escritórios de contabilidade ou terceiros mediante procuração eletrônica.

Como emitir o CTe? Conheça o passo a passo

1. Faça o credenciamento na Sefaz

O primeiro passo é acessar o site da Secretaria Estadual da Fazenda, buscar a opção de credenciamento para emissão de CTe, preencher o formulário de inscrição e enviar os documentos solicitados.

2. Obtenha um certificado digital

Nessa etapa é necessário contratar uma autoridade certificadora credenciada pela ICP-Brasil (Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira) e solicitar a emissão de um certificado digital no padrão A3. Feito isso, instale o certificado digital em seu computador.

3. Utilize um sistema emissor de CTe otimizado

Escolha um software emissor de CTe que atenda às suas necessidades e contrate a assinatura dessa ferramenta. Faça o download do programa e instale o software no computador.

4. Configure sua empresa no sistema emissor

Insira no sistema os gerais da empresa e dos proprietários, detalhes das atividades econômicas, certificado digital A3, configurações do sistema emissor, dados do tomador do serviço, do transportador, da carga, do veículo e do frete.

5. Faça a importação do arquivo XML da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e

Localize e importe o arquivo XML da NFe, acesse o sistema emissor de CTe, valide/importe a NFe e confirme o resultado da importação. 

Lembre-se de escolher entre importar a NFe para gerar novo CTe ou adicionar informações a um CTe existente.

6. Preencha todos os dados

Além dos dados solicitados no cabeçalho, preencha também detalhes do emitente, tomador do serviço e destinatário, descrição da carga, local do descarregamento e veículo.

Principais dúvidas sobre o CTe

Emitir CTe pode ser complicado e algumas dúvidas são bem comuns.

DACTe e CTe são o mesmo documento?

Não. O DACTe é o documento auxiliar do conhecimento de transporte eletrônico, uma versão simplificada do CTe, e deve ser impresso para acompanhar a carga durante toda a viagem. 

Funciona como um resumo das informações do CTe, facilitando a fiscalização. Já o CTe é o documento fiscal obrigatório para a prestação dos serviços de transporte de cargas. Emitido digitalmente, fica armazenado de forma eletrônica.

MEI deve emitir o CTe?

O MEI pode emitir CTe, mas a obrigatoriedade varia de acordo com a legislação estadual e o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). 

Em geral, emite o documento se for prestador de serviços de transporte de cargas intermunicipal ou interestadual.

É possível emitir o CTe de forma gratuita?

Existem opções gratuitas, mas é essencial levar em conta o volume de CTe a ser emitido, a necessidade de integração e as funcionalidades adicionais. 

A maioria dos estados oferece emissão gratuita de CTe no portal da Sefaz.

Também existem softwares gratuitos com funcionalidades básicas. Outra opção é recorrer a associações e entidades de classe. Algumas delas oferecem esse benefício aos associados.

O que acontece se eu não emitir o CTe?

Deixar de emitir CTe não é uma boa ideia porque tem consequências para o transportador e para o tomador do serviço. A principal delas é a aplicação de multa correspondente a um percentual do valor da carga.

Outras penalidades são a apreensão da carga, restrição para emissão de novas notas fiscais, dificuldades na obtenção de crédito em instituições financeiras, risco de suspensão do CNPJ e interdição do estabelecimento.

Qual o melhor sistema emissor do CTe?

O melhor sistema emissor de CTe é aquela que atende as necessidades da empresa ou que seja personalizável. A escolha ideal leva em conta fatores como:

  • Volume de CTe emitidos.
  • Funcionalidades essenciais.
  • Interface amigável e intuitiva.
  • Suporte técnico eficiente e ágil.
  • Armazenamento seguro dos dados.
  • Preço compatível com os diferenciais oferecidos.

Conheça o emissor de CTe da nstech

Robusto e completo, o sistema desenvolvido pela nstech é ajustável a empresas de todos os portes. É intuitivo, fácil de usar e tem ferramentas para a gestão completa do CTe. 

A solução automatiza tarefas repetitivas, tem integração com outros sistemas e conta com suporte técnico especializado.

Principais funcionalidades 

  • Emissão de CTe normal, complementar e de anulação.
  • Consulta de situação do CTe.
  • Acompanhamento da entrega da carga em tempo real.
  • Geração de XML e impressão de DANFE.
  • Gestão de pedidos de frete.
  • Integração com outros sistemas (ERP, TMS etc.).
  • Relatórios personalizados e painel de controle com indicadores de desempenho.
  • Suporte técnico especializado.

Se você busca um sistema moderno, com planos flexíveis e acessíveis, a nstech tem a solução ideal. Saiba mais.

Conclusão

Diante da obrigatoriedade da emissão do CTe no transporte de cargas intermunicipal e interestadual, a melhor estratégia é escolher logo uma solução completa. 

Lembre-se que a não emissão tem consequências negativas às finanças e à reputação da empresa. 

Por isso, escolha um sistema robusto, fácil de usar, seguro, confiável, com suporte técnico e especializado, como a solução desenvolvida pela nstech.

A eficiência que sua operação precisa

Conheça centenas de soluções que garantem eficiência, rentabilidade, segurança e sustentabilidade.